A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) divulgou um levantamento revelador: o Brasil superou a incrível marca de 2 milhões de sistemas solares fotovoltaicos instalados em diversos locais, como telhados, fachadas e pequenos terrenos. Esse marco representa uma potência instalada de 22 gigawatts (GW) em uma variedade de locais, desde residências até comércios, indústrias, propriedades rurais e prédios públicos.

A vice-presidente da Absolar, Bárbara Rubim, destaca que esses números refletem não apenas o potencial significativo que o Brasil tem na geração de energia solar fotovoltaica, mas também o desejo dos consumidores brasileiros de produzir sua própria energia. Isso não apenas resulta em economia nas contas de luz, mas também contribui para o desenvolvimento sustentável do país.

A energia solar conquistou um marco importante no início deste ano, ultrapassando a energia eólica (gerada pela força do vento) e conquistando o segundo lugar na matriz elétrica brasileira. Cerca de 14,3% da potência instalada no país agora é proveniente da energia solar, ficando atrás apenas da energia hídrica, que corresponde a 51% do total.

As perspectivas para 2023 são ainda mais promissoras, com uma produção prevista entre 25 e 28 GW. O ano de 2022 encerrou com quase 18 GW de potência instalada, e este ano se espera um aumento de mais 10 GW de capacidade instalada.

De acordo com o estudo da Absolar, os 2 milhões de sistemas fotovoltaicos atualmente abastecem 2,6 milhões de unidades consumidoras. No entanto, isso representa menos de 3% do total de unidades consumidoras existentes no Brasil.

O levantamento revela que a tecnologia fotovoltaica está presente em 5.530 municípios em todo o país, com Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul e Paraná liderando em termos de participação.

A meta da Absolar é estender a presença da energia solar fotovoltaica a todos os 5.570 municípios até o final do ano. Isso é impulsionado pela expectativa de programas governamentais cada vez mais amplos, incluindo a geração de energia em prédios públicos.

Desde 2012, o setor de energia solar recebeu impressionantes R$ 111,2 bilhões em investimentos privados, resultando na geração de quase 700 mil novos empregos e em uma arrecadação de R$ 29,8 bilhões para os cofres públicos.

A vice-presidente da Absolar observa que, no primeiro semestre deste ano, houve uma desaceleração nas vendas devido a mudanças no cenário político e à situação macroeconômica do país, que afetaram o varejo em geral. No entanto, a previsão para o segundo semestre é de um ressurgimento no crescimento, com um aumento no número de sistemas instalados e beneficiados pela energia solar fotovoltaica.